Presidente da APImprensa explica DNI

O Dia Nacional da Imprensa (DNI) existe em Portugal desde 2001 e foi apresentado durante a comemoração dos 50 anos da Associação Portuguesa de Imprensa, que teve lugar em Lisboa.
A 18.ª edição desta reunião anual dos editores de jornais e revistas realiza-se em Coimbra, no próximo dia 9 de dezembro, no auditório do ISCAC (Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Instituto Politécnico de Coimbra). O programa deste ano procura respostas para dois temas fundamentais:
– Qual o papel do Estado, da economia circular e da economia social na sustentabilidade das empresas editoras de jornais e revistas?;
– É possível ter êxito em Portugal na atividade de edição de jornais e revistas?

No dia 8 de dezembro, domingo, terá lugar o primeiro dia do DNI 2019, com a projeção de um filme sobre jornalismo. Segue-se um debate aberto sobre notícias falsas, desinformação e manipulação jornalística, durante o qual será apresentado o Programa Media Veritas, de luta contra a iliteracia mediática.

Das 17 edições do Dia Nacional da Imprensa merecem especial destaque as realizadas em Óbidos, em 2008, e a realizada em Palmela, em 2012.

Na edição de Óbidos, que teve lugar a 11 de dezembro de 2008, no Auditório da Casa da Música, a Associação apresentou o programa Repensar a Imprensa, que visava preparar as empresas editoras de jornais e revistas para o desafio digital, nesse ano confrontadas com a Diretiva Europeia dos Serviços Audiovisuais. Participou nos trabalhos o Diretor do Gabinete dos Meios de Comunicação Social, em representação do ministro Augusto Santos Silva. Para além do programa Repensar a Imprensa, foram discutidos temas, ainda verdadeiramente atuais, como as redações multimédia e as edições eletrónicas, os direitos de autor e conexos, a concorrência em multiplataformas, políticas de aquisição e fusão e modelos de negócio. A distribuição postal e o quadro de opções no mercado não foram esquecidos no ano em que a União Europeia anunciou a liberalização dos serviços postais.

No dia 11 de dezembro de 2012, no Castelo de Palmela, teve lugar o Dia Nacional da Imprensa dedicado ao tema (Re)financiar a Imprensa na emergência da crise. Esta edição do DNI foi transversal à Rádio, uma vez que foi apresentado o PECSIR – Plano de Emergência à Comunicação Social “Imprensa e Rádio”, um projeto da iniciativa da Associação Portuguesa de Imprensa. Contou com a presença do Professor Marcelo Rebelo de Sousa, que deu aos participantes uma perspetiva daquilo que previa para “Portugal 2013”. Acompanharam os trabalhos o Ministro Miguel Relvas e o Secretário de Estado Feliciano Barreiras Duarte.

Este ano, pode participar no DNI 2019, em Coimbra, assistindo à mesa redonda sobre “O papel do Estado e das Fundações na Sustentabilidade da Imprensa”. É no dia 9 de dezembro, no ISCAC, e conta com a participação de James Hewes (CEO da FIPP), Elena Perotti (Executive Director, Public Affairs and Media Policy da WAN-IFRA), Carlos Magno (Jornalista e Professor Universitário), Nobre Correia (Professor Universitário) e Pedro Norton (Administrador não executivo da Fundação Calouste Gulbenkian).

Deixe um comentário